logolaranja.png
..::data e hora::.. 00:00:00

Pobreza  agrava com

pandemia do Covid-19

Lideranças querem ações contemplativas
para políticas sociais junto aos bairros “pobres”
30820a40-8560-47d9-b9f1-316fa7fa041e.jpg

   “Quando o inverno chega traz consigo muito frio e a descobertas de muitas mazelas de pessoas que vivem os rigores da falta de agasalhos, alimentos e condições de moradias paupérrimas, muitas vezes por falta de politicas publicas que estabeleçam as condições necessárias e dignas  para enfrentamento destes problemas que, agravam-se muito pelo crescimento populacional e desordenamento social com invasões em áreas alagadiças ou irregulares”. 
Antes  era um problema  social conhecido somente nas grandes cidades e metrópoles. Hoje, nos mais de 5,1 mil municípios. E muitas vezes provocados pelas próprias vítimas destas  situações que, teimam em manterem-se  em locais inapropriados ou retornam aqueles locais proibidos, sempre por teimosias ou influenciados por setores políticos partidários/ideológicos que, prometem facilidades futuras ( e estas não são poucos), que prometem dias  melhores as pessoas e famílias menos esclarecidas.
 Percorrer os bairros e logradouros na cidade consta-se tais fatos, onde famílias inteiras vivem aglomeradas  em “favelas” a beira de riachos e esgotos correndo a céu aberto. Dizer que estes problemas são de cidades grandes, enganam-se quem pensa isso.
 Buscar  alternativas concretas é uma pauta permanente, necessária  e urgente, com estudos técnicos e responsabilidades, saindo de discursos fáceis para atos concretos.
 É de fundamental importância que, as pastas responsáveis pela elaboração destas políticas sociais e estruturais saem do imediatismo e favorecimentos em momentos pontuais para – elaboração de grandes projetos.  Projetos estes que, viabilizem a erradicação de situações  que, agravam-se de forma assustadora  à todos os cidadãos que, contribuem de forma solidárias nestes momentos de agravamento,  como nos invernos, enchentes e falta de alimentos, através de campanhas e a solidariedade promovidas  por entidades, empresas e ações de partes de pessoas que, sensibilizados   somam  nestes momentos de dor e necessidades imediatas. Mas, é fundamental, a construção coletiva de ações objetivas e que atendam efetivamente as grandes demandas que, Alegrete, evidencia com crescimento assustador de um problema que sempre existiu, porém, o aumento nos últimos 15 anos agravou-se de forma significativa.

Políticas Públicas

   O Centro Empresarial de Alegrete na noite de  29 de junho de 2021, em sua live semanal “A Voz do Empresário” – trouxe em pauta a preocupação e o trabalho das entidades que, trabalham de forma intensa e continua  na busca de  amenizar estes “mazelas sociais”, sem assistencialismo, mas, com responsabilidade de somar esforços junto aos  Poderes constituídos  na busca de amenizar os impactos destas  necessidades humanas que atinge aqueles  segmentos mais vulneráveis da  sociedade – que são as famílias  que, tem  suas casas  atingidas pelas cheias do Ibirapuitã, falta de alimentos e agasalhos, e na sua maioria em grande número de crianças.  Por mais de uma hora e meia, dirigentes do Rotary Alegrete Norte Centro e Lions Club Alegrete  Ibirapuitã, representado pela secretária, Tânia Mara Pacheco Gomes, (assumiu presidência dia 30/06/2021), e Marcos Waldemar Ruffo Goulart ( Governador Assistente do DI 4780- Rotary International), debateram com dirigentes  do CEA,  o novo formato de ordenamento  social e as  exigências destas organizações no âmbito nacional e internacional, visando aplicação de políticas com projetos e ações objetivas e transparentes. 
Precisamos de deixar de discursos  fáceis como antes praticados pelos representantes públicos, hoje, precisamos de projetos claros e objetivos para serem contemplados por estas Instituições Internacionais com atuação local. É fundamental projetos contemplativos e reais, e não meros imediatismo. E, tudo isso é testemunhado pelas recentes de liberações de recursos federais que, todos foram necessários  de projetos  sociais concretos, e que efetivamente viabilizasse  as reais necessidades e demandas, lembrou Marcos Ruffo Goulart, exemplificando uma série de conquistas para as entidades/instituições via Poder Publico Municipal. Só discursos fáceis não resolvem, é fundamental elaboração de projetos por técnicos com conhecimentos e capacidade de planejamento e visão de futuro, disse o dirigente.

Prefeito Márcio Amaral
é sensível as demandas

   O prefeito Márcio Fonseca do Amaral (MDB), durante sua manifestação  na  visita do Governador do DI 4780 – Rotary International, José Moacir Almança, reconheceu a importância e o trabalho realizado ao longo dos anos pelos rotarianos, sendo fundamentais em apoio as políticas  publicas e sociais da  comunidade. Ele elencou uma série de dados sobre a situação  social. Citou programas e  ações  em que  o Município tem trabalhado, porém, reconhece que a situação tem agravado - se nos últimos anos  com o empobrecimento de pessoas diante da  redução dos empregos formais e a falta de especialização destas que,  passaram exercer sub empregos.
 As novas tecnologias e ferramentas aceleraram para redução e empregos e de oportunidades de trabalho para muitos. O crescimento do empobrecimento é mundial e agravado pela pandemia do Covid-19, afirma o chefe do Executivo. Citou números de  atendimentos as pessoas com maiores necessidades, mas, que está sensível e busca politicas para amenizar os impactos de todas as questões junto aos bairros mais “pobres”.

linha.png