logolaranja.png
..::data e hora::.. 00:00:00

Zeca Menezes, Presidente da Sicredi Essência fala sobre os 40 anos da cooperativa

 

A Sicredi Essência completa neste mês 40 anos de atividade na região. Uma atuação voltada a estar ao lado do associado e da comunidade promovendo o desenvolvimento regional.

 

   

Confira a entrevista abaixo:

Desde a fundação das primeiras cooperativas de crédito brasileiras, no Rio Grande do Sul, no início do século passado, tivemos muitos períodos de crescimento e de adversidades observados no meio cooperativo. Nos conte como a Sicredi se organizou para ser uma das instituições financeiras cooperativas que mais cresce nos últimos anos?

A retomada do Cooperativismo de Crédito aqui no RS foi no início dos anos 80, as dificuldades foram enormes porque o país apresentava um momento de muitas dificuldades, de inflação, pouco acesso ao crédito, principalmente para o setor agropecuário. Tínhamos também cooperativas de outros ramos que passaram por dificuldades e acabaram entrando em auto liquidação. A legislação também era muito restritiva e não permitia que as cooperativas tivessem muitos produtos e serviços. O poder de atuação era muito limitado. 

Basicamente, nesse período, nós tínhamos uma cooperativa de crédito que era baseada em capital e empréstimo. 

No início dos anos 90, a legislação foi melhorando e as cooperativas se organizando em centrais e sistemas. Eu acredito que no Sicredi, um dos pontos fundamentais para essa retomada do cooperativismo e crescimento, que teve a partir dos anos 90 foi a profissionalização dos seus dirigentes e do seu quadro de colaboradores. 

A Central Sicredi Sul/Sudeste, da qual fizemos parte, na época, investiu muito na formação dos dirigentes. Todo o tipo de treinamento e capacitação foi realizado, para que todos o público interno conhecesse efetivamente os negócios e como funcionavam as cooperativas.  Os presidentes, vice-presidentes e diretores tinham uma função executiva e precisavam conhecer efetivamente o negócio que eles estavam administrando.

Outro ponto que podemos destacar é que o Sicredi atuando como sistema, sempre organizado e liderado pela nossa Central, mostrou para as autoridades monetárias que o cooperativismo sério e cuidadoso, dava certo e com isso fomos conseguindo um avanço na legislação. 

Acredito que estes fatores foram fundamentais para alicerçar o crescimento que temos no Sicredi.

Como surgiu a Sicredi na nossa região?

A Sicredi surgiu na nossa região, no início dos anos 80. Naquela época, usava-se o nome Credi, junto com o nome do município. 

Foi através dos líderes das cooperativas agropecuárias do estado do RS que faziam parte da Federação das Cooperativas de Trigo e Soja (Fecotrigo), liderados pelo Mário Kruel Guimarães um técnico que conhecia muito o cooperativismo, que foi feita uma mobilização em todas as cooperativas agropecuárias para que fossem constituídas essas cooperativas de crédito. Elas seriam muito importantes para a retomada da atuação e da gestão do crédito rural, aja vista que, o governo do estado da época estava com dificuldades de aportar recursos para o setor agropecuário. 

Então, foi através dessa mobilização que foram criadas diversas cooperativas de crédito, com apoio das cooperativas agropecuárias da região, surgindo aqui, na época, a Credigal em São Gabriel, Crediros em Rosário do Sul, Credial em Alegrete, Urucredi em Uruguaiana e Itacredi em Itaqui. 

Estas eram as siglas das cooperativas e, a partir de então, com o início das suas atividades elas foram crescendo e lá em 1992, por uma decisão de todas as cooperativas do estado foi adotada a sigla Sicredi para todas estas cooperativas. 

No início do ano, a Sicredi anunciou que agora é Sicredi Essência. Pode nos contar o motivo dessa transição de nome?

A Central Sicredi Sul/Sudeste é responsável pela expansão do cooperativismo de crédito nos estados de Minas Gerais e Espirito Santo. Várias cooperativas se candidataram para esse processo de expansão, num primeiro momento para Minas Gerais e, no final do ano passado, para o Espírito Santo.  

O Conselho de Administração da nossa cooperativa, que atua em 11 municípios da região, aprovou e autorizou o estudo e o projeto para nossa expansão para o Espírito Santo. A partir dessa aprovação, nós levamos o projeto para quadro social, em uma Assembleia Geral Extraordinária, que apreciou o projeto de expansão. Nesta assembleia foi informado os motivos desta expansão. 

Os principais motivos que podemos destacar são:  expansão do Sicredi é um movimento sistêmico, 5 cooperativas já estavam em processo de expansão, o corpo técnico fez um estudo detalhado do ES que apresenta um bom mercado a ser explorado. Após a visita dos dirigentes na região, os mesmos acharam interessante se candidatar a este processo de expansão. 

Outro ponto a ser destacado é que, aqui na nossa região nós temos uma boa participação no mercado, porem há uma limitação de área de atuação. Nós não podemos ampliar nossas agências para um maior número de municípios. 

Firmado o compromisso com a expansão, fizemos a nossa reforma estatutária, os coordenadores, em nome dos associados, aprovaram este projeto de expansão e, por isso que foi necessário a mudança de nome. Nosso antigo nome, Sicredi Pampa Gaúcho estava vinculado a nossa região e agora, precisamos de um nome mais abrangente. 

Acreditamos que a escolha do nome tenha ficado muito interessante, porque nós estamos indo para um estado onde o cooperativismo de crédito tem uma boa atuação, é bem estruturado e conhecido. Nossa proposta neste projeto de expansão é irmos para o noroeste do ES para trabalharmos e praticarmos o cooperativismo puro, um cooperativismo com muita transparência e eficiência para manter o cooperativismo lá.

Falando em expansão, nos fale um pouco do que a economia está influenciando na atuação da Cooperativa nos últimos anos?

Um dos fatores que acredito importante destacar, é que a taxa de juros caiu muito nos últimos anos. Ela apresentou um desafio ainda maior para as cooperativas de crédito. As instituições tiveram que se adequar nas suas estruturas, nos custos fixos e no seu ganho em escala. Por isso, a adoção de novas tecnologias é fundamental para que possamos diminuir estes custos fixo. Por outro lado, é importante destacar que as cooperativas começaram a olhar para este processo de expansão, para ampliar o número de associados, termos mais escala e conseguirmos diluir os nossos custos. 

Acredito que, com o trabalho que vem sendo feito na nossa região, de levar para o nosso associado produtos adequados, com custos abaixo das taxas médias praticadas pelo mercado estamos cumprindo com um dos papéis do cooperativismo, que é ser um balizador de preços e taxas. Nós estamos conseguindo proporcionar para nossos associados, produtos e serviços bastante adequados para o momento em que vivemos, onde temos taxas de crédito caindo, e que possibilitam que novos investimentos sejam ser realizados pelos nossos associados. 

Além de custos adequados, contamos com a constante capacitação dos colaboradores para levar produtos e serviços que atendam às necessidades individuais dos nossos associados. 

E mesmo com as restrições de atendimentos e negócios, devido a pandemia, nós conseguimos nos adaptar e estamos passando de forma tranquila pelo atual cenário. 

Falando em ações, nos conte quais as ações que o Sicredi está realizando para estar cada vez mais próximo dos associados e da comunidade.

Para estarmos mais próximos dos associados e da nossa comunidade, estamos constantemente treinando e capacitando nossos colaboradores para que conheçam, cada vez mais, as necessidades dos nossos associados e seus negócios. 

Os colaboradores atuam como especialistas, levando os serviços e produtos que a cooperativa tem, da forma mais adequada para o quadro social.

O modelo digital está cada vez mais presente na cooperativa, principalmente no último ano, devido às restrições de acesso, em virtude da pandemia. E, os dados confirmam que o associado também se adaptou, pois, a procura por estes canais vem crescendo dia a dia. Nos nossos canais digitais, o associado pode fazer contratação de serviços sozinho e, o nosso WhatsApp Corporativo está atuando de forma ativa, propondo oportunidades de negócios para os associados.

Além da geração de negócios para o associado, estamos atuantes nas comunidades. Expandimos, no ano passado, o Programa A União Faz a Vida, e agora, atuamos em 5 municípios (Manoel Viana, Rosário do Sul, Cacequi Uruguaiana e São Gabriel). 

Continuamos apoiando as atividades comerciais que os associados e comunidades realizam, como feiras, eventos, leilões e remates, procurando ser parceiros e estar presentes. 

O investimento nos programas de formação dos nossos coordenadores de núcleo, na educação financeira para nossos associados, em parcerias com entidades e universidades são mais algumas ações que fazem com que a Sicredi Essência nunca deixe de estar ao lado dos seus associados e invista no desenvolvimento dos municípios.   

Agora para finalizar, conte um pouco da sua história e o sentimento que é estar à frente da cooperativa.

Estar à frente da Sicredi Essência, principalmente agora quando completamos 40 anos é motivo de muita alegria e honra. Acompanhei vários períodos da cooperativa, alguns com limitação de área de atuação, depois com as mudanças dos normativos, permitindo uma maior atuação na região, com a livre admissão. 

Durante este período acompanhamos a união das cooperativas, que fortaleceu o sistema Sicredi, nos levando a uma maior participação no mercado e maior solidez. 

Hoje, atuo no Conselho da nossa Central Sicredi Sul Sudeste, representando as cooperativas da nossa região. 

Todas as ações que estamos a frente tem o objetivo maior de atender as necessidades do associado. 

Reforço um sentimento de satisfação e honra e aproveito a oportunidade para registrar algumas palavras que sempre digo, quando tenho oportunidade de me reunir com representantes da comunidade e associados. 

Na vida nada se constrói sozinho. E em uma cooperativa em especial é uma forma sine qua non. É a partir do fazer juntos que as cooperativas se criam e potencializam as cadeias econômicas. O associado é parte fundamental nesse processo de cooperação e ressalto a importância de participar, atuar e fazer suas movimentações junto a cooperativa, para que cada vez mais ela cresça e se fortaleça. 

Tenho um sentimento de gratidão, pois em todos estes anos tive oportunidades de crescimento, formação, participação na comunidade e na vida dos associados, e colaboradores. Conhecemos as suas realidades e construímos um capítulo desta história de 40 anos.


 

linha.png