logolaranja.png
..::data e hora::.. 00:00:00

Maurício Goldemberg, um visionário presente por Alegrete

 

      Alegrete perdeu um filho ilustre, um homem que  esteve presente, escrevendo a  história  da cidade nas últimas 8 décadas.

Nascido em 25 de maio de 1929, aos 91 anos, o alegretense Mauricio Goldemberg, foi mais uma vítima do novo coronavírus. Ele faleceu na madrugada de 14 de março  de 2021, na Santa Casa de Alegrete, onde estava internado na UTI Covid.

 

Homenagens e reconhecimentos da comunidade

   Maurício Goldemberg, foi agraciado com Mérito Legislativo, distinção  do vereador Oswaldo Chibiaque de Lima, numa proposição do vereador Gaspar Cardoso Paines. Detentor da Comenda “Dedicação e Trabalho” nos governos dos prefeitos Nilo Soares Gonçalves e José Rubens Pillar. Comendador do “Centenário da ACIAS/ Centro Empresarial” pela sua atuação empresarial e efetiva participação como Associado e Conselheiro nas mais diversas ações e  atividades.

   Como homem de grande sensibilidade e humanista, Mauricio  Goldemberg,  auxiliava com apoio financeira  a  Irmandade  da Santa Casa  - onde atuava como Irmão/ Conselheiro por mais de  6 décadas,  a APAE- inclusive  recentemente  tinha efetivado  doação e seu automóvel,  as  Casas  Lares de  Idosos,  Equoterapia, e muitas outras instituições sempre de  forma  discreta e anônima.

   Sempre dizia que “Da grande escola da vida, não se leva nada. A gente tem que ajudar”. Sonhava com mais indústrias em Alegrete, desenvolvimento da mão de obra, ofertas de emprego. Além de mais atenção aos idosos. Ações mais efetivas com o público da 3ª idade. Ele desejava viver até os 120 anos, como destacou a filha Carla Goldenberg.

“Com imensa dor, juntamente com meus irmãos, Claudio Goldemberg, Clóvis Goldemberg, Renan Goldemberg, noras, genro, netos e bisneta, nosso pai partiu, escreveu a filha Carla.

“Nosso querido Pai tinha 91 anos, planejava viver até aos 120… lutou bravamente contra o Covid 19. Cumpriu seu papel por aqui sendo muito feliz, trabalhando incansavelmente pelo bem e pelo desenvolvimento da nossa cidade, mas o seu melhor papel foi o de Pai.

Conforme era sua vontade, será cremado. Amor eterno de todos nós.

“O grande homem e aquele cuja grandeza não fere, não domina, não escraviza, mas iguala , liberta, harmoniza, nobilita e ensina as criaturas” –finalizou  Carla Goldemberg.

 

Um jovem destemido

   Desde  muito jovem, aos 15 anos, iniciou sua labuta  na Gazeta de Alegrete. Foi dos serviços gerais à sócio do jornal mais antigo do RS. Na atividade  da   comunicação,  foi redator do radio - jornalismo da Rádio Alegrete.  Após  longo de um longo período  na  atividade de comunicação social -  imprensa (jornal e rádio), investiu  na atividade empresarial, assumindo  a joalheria e joias,-  a antiga Joalheria Exposição na Praça Getúlio Vargas.

   Como  agropecuarista   assumiu a superintendência  do Frigorífico Matadouro Alegretense, sendo um dos idealizadores  e  avalista  do empreendimento, construído pela Cooperativa Rural Alegretense Ltda –CRAL,  sendo  até hoje é um dos maiores empregadores do município.

 

Irmandade da Santa Casa lamenta a perda de seu Maurício

 

   A Diretoria Provedora, a Diretoria Executiva e os companheiros da Irmandade da Santa Casa de Caridade de Alegrete, com palmas e uma carreata  até a saída da BR 290 como última homenagem de alguém que foi importante não só para os seus, mas para toda uma comunidade.  “Vai nos fazer muita falta com certeza. Com muita tristeza recebemos a notícia do falecimento de nosso grande conselheiro, nosso guru, nosso motivador, nosso incentivador, seu Maurício” – disse Roberto Segabinazzi.

   Seu Maurício Goldemberg, era coordenador  geral da Campanha “Juntos Pela Vida” que, visa reunir os recursos  para aquisição do Tomógrafo para Santa Casa, aparelho este, que após várias  reuniões e encaminhamentos para as lideranças políticas, foi atendido pelo deputado federal Sanderson – através de seus representantes em Alegrete, na pessoa da professora Vânia Guerra.

 

Confraria  “UNIDOS POR ALEGRETE”

   Por decisão pessoal de seu Maurício Goldemberg e pelo seu “Chefe da Casa Civil”- Carlos Augusto Carús, há 4   anos foi fundada e presidida a confraria “Unidos Por Alegrete”-  concebida para articulação de  estratégias  políticas – públicas, empresariais e sociais em prol de novas  conquistas e avanços para Alegrete.  Dentro de uma visão macro, Maurício Goldemberg, era o timoneiro de todo o processo que, tinha como seus membros  natos, Adão Dornelles Faraco, Carlos Augusto Carús, Antonio Nilson Gomes, Breno  Pinheiro Prates, Milton Araújo, Décio Marini, Luciano Pacheco Kelbouscas, Carlos Roberto Phlmann, Carlos Mello, Dionir Martini e Barcelar Rodrigues.

   Dentre  os projetos executados as  comemorações alusivas aos 100 Anos da ACIAS/ Centro Empresarial de Alegrete, da Revista 100  Anos – Registro Histórico da Entidade; Comemorações dos 30 anos da  FIND – com Placa em Bronze, além de atividades e projetos que vinham sendo construídos pelos seus integrantes, sempre aconselhados e aprovados pelas mãos e palavras do líder/ mentor e presidente  Mor da Confraria.

 

Quem vai continuar a obra de Maurício Goldemberg?

   Um homem sereno, comedido, firme em suas convicções, deixa um legado para a cidade. Historiador  de primeira. Mais do que isso, diria na linguagem digital,  um  verdadeiro  armazenador de dados, porque  ele tinha a capacidade de reunir   documentos, informações, uma coletânea de fatos e registrá-los  com  a característica que lhe era peculiar. Basta ver a edição histórica  do Alegrete de Ontem  da Gazeta de Alegrete.  Maurício,  memória viva não só de   nossa cultura, mas da economia, política e da vida social de nosso Alegrete.  Patrimônio cultural da nossa história, sem dúvida alguma. 

   A maior contribuição que Maurício Goldemberg  deixa  é a  preservação da memória da cidade, que  praticamente ocupou  a sua vida debruçado na pesquisa  e no conhecimento. Não sei quem vai continuar a obra de Maurício Goldemberg, porque a   memória da cidade deve muito a ele. Vai com Deus, amigo.  Maurício Goldemberg, perdeu a batalha da Covid, mas se torna a  ponte do Alegrete de ontem  com a realidade presente em busca do futuro. O que você escreveu, fica para o sempre.

 

por: Alair Almeida, jornalista

 

Andréa Oliveira

   Seu Maurício dedicou a sua vida inteira por um Alegrete melhor, eu desde criança acompanho a sua luta em prol da Santa Casa, e todos aqueles que o procuravam para pedir ajuda ou aconselhamentos sempre tiveram retorno... Ele esteve presente em todos os momentos importantes do nosso município, um grande incentivador cultural sem dúvida vai fazer muita falta, e também um grande colaborador anônimo em campanhas humanitárias, o Alegrete perde um coração gigante.

ExpressoMinuanoEdição1054mauricio33.jpg
linha.png